Brasília se enche de branco e dourado para anunciar 2023
Cerca de 30% da população estavam em situação de pobreza em 2021
Saúde Após dois anos de covid, um em cada quatro jovens não estuda
Após dois meses de queda, indústria cresce 0,3%, revela IBGE
Bloqueio no orçamento das universidades federais é suspenso

Butantan informa que 1,8 milhão de doses já foram substituídas

A CoronaVac é a segunda vacina contra covid mais aplicada no Brasil

A CoronaVac é a segunda vacina contra covid mais aplicada no Brasil SEDAT SUNA/EFE/EPA – 21.4.2021

O Instituto Butantan, em São Paulo, responsável pela produção da CoronaVac no Brasil e importação da vacina da China, afirmou, nesta quarta-feira (22), que já havia determinado, há uma semana, o recolhimento voluntário das doses interditadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O instituto frisou, em nota, que as primeiras 1,8 milhão de doses distribuídas para o PNI (Programa Nacional de Imunizações) já foram recolhidas e substituídas por vacinas produzidas pelo Butantan com IFA proveniente de fábrica na China, certificada previamente pela Anvisa.

“Dessa forma, não houve qualquer prejuízo para o calendário de vacinação estipulado pelo Ministério da Saúde. O instituto reafirma que a vacina foi analisada pelo rigoroso controle de qualidade do Butantan e não há qualquer indício de desvio de qualidade nos lotes da CoronaVac”, informou.

“Esclarecemos, ainda, que a medida cautelar estipulada pela Anvisa atinge, exclusivamente, as 8 milhões de doses que foram envasadas em uma planta específica da biofarmacêutica chinesa Sinovac, não tendo impacto em qualquer outro lote, especialmente os fabricados no Brasil”, acrescentou.

O anúncio ocorre logo após a publicação de uma resolução da Anvisa que determina recolhimento de lotes da CoronaVac, interditados de forma preventiva no início do mês.

A Anvisa afirmou que o recolhimento das doses interditadas caberá “aos importadores” e que “o recolhimento se aplica apenas aos lotes que foram envasados em local não inspecionado pela Agência”. “A vacina Coronavac permanece autorizada no país e possui relação benefício-risco favorável ao seu uso no país”, apontou por meio de nota.

Foram vetados 25 lotes do imunizante, com cerca de 12,1 milhões de doses. Outras 9 milhões de doses, cujo IFA está em trâmite para o Brasil, também estão interditadas – total de 21 milhões de doses. As vacinas foram envasadas com matéria-prima (Insumo Farmacêutico Ativo) de um laboratório na China que não passou por inspeção da agência, segundo a Anvisa. De acordo com o governo de São Paulo, ao qual o instituto Butatan é ligado, as vacinas foram produzidas pelo próprio Butantan com IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) que veio de fábrica na China.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *