Drenar-GDF-300x250-GIF
Programa oferece até R$ 21 mil de crédito para empreendedores negros
Governo lança programa para reduzir filas no sistema de saúde
UNE quer construir agenda com reivindicações ao governo federal
Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida
Mercado financeiro eleva projeção da inflação de 5,74% para 5,78%

Bolsonaro questiona CPI: ‘O que produziu para diminuir mortes?’

Declarações foram dadas durante a live da noite desta quinta-feira (7)

Declarações foram dadas durante a live da noite desta quinta-feira (7) Joédson Alves/EFE – 06.10.2021

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a criticar o trabalho de senadores da oposição na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid. “O que produziu de concreto para diminuir o número de mortes? Foi contra o tratamento precoce e a favor de quê? Se tratar com quê?”, questionou, durante a live da noite desta quinta-feira (7). 

Bolsonaro defendeu medicações de outros fins sendo utilizadas contra o novo coronavírus, sob o argumento de que alguns remédios foram descobertos “por acaso”. Ele ainda disse que uma das medicações citadas por defensores do tratamento precoce não tem como efeito colateral a arritmia.

“O próprio Conselho Europeu de Cardiologia disse que aquele remédio, que eu não quero falar o nome, não causava arritmia. A CPI disse que vai indiciar o presidente do Conselho Regional de Medicina, mas só porque ele sempre defendeu a autonomia médica”, ponderou.

Vacinação

A vacinação de adolescentes contra a Covid-19 voltou a ser pauta de declarações do presidente durante a live. Para ele, não há embasamento científico para aplicar o imunizante em jovens de 12 a 17 anos. 

“A gente sabe que 99,9% da garotada, se contrair o vírus, a chance de óbito é zero vírgula alguma coisa. É quase nula. Eu não nego a vacina, ela está à disposição da população. Minha esposa tomou. Mas quem estava nos Estados Unidos comigo, vacinados, [Marcelo] Queiroga, o Pedro [Guimarães, presidente] da Caixa, contraíram o vírus. Não vi a imprensa perguntar a ele se ele fez tratamento precoce. Perguntem a ele!”

Ministérios 

Outro tema tratado foi um possível desabastecimento de alimentos por causa da falta de fertilizantes. “Isso vai influenciar na agricultura, mas conversei com a ministra [da Agricultura, Pecuária e Abastecimento] Tereza Cristina, como está a situação. Estão ultimando um programa de fertilizantes no Brasil que começou em março deste ano”, afirmou.

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, esteve presente na live. No fim da transmissão, Pontes se sentou com Bolsonaro e assinou uma portaria que cria uma rede de insumos. “O senhor falou da necessidade de insumos para a agricultura, isto é uma portaria que cria insumos desde o estudo científico até o uso de bioinsumos”, afirmou. 

O presidente não comentou a crise recente do Ministério da Economia, envolvendo denúncias de que Paulo Guedes teria empresas em paraísos fiscais e de que estava lucrando com a valorização do dólar. 

Confira os principais pontos da live: 

Inflação

“Eu estava certo. A crise do ‘fique em casa’ traduz a nossa inflação e falta de alimentos. O coronavírus é uma guerra. Ninguém ganha guerra embaixo da trincheira, na cama. Teve gente que tinha carteira assinada e teve que negociar com o patrão para diminuir o salário e não perder o emprego, ou seja, teve ajuda do governo. Mas tudo é resultado do ‘fica em casa, a economia a gente vê depois’. Tem gente do PT, PSOL, me culpando pela crise, pelo desemprego, pela inflação que está aí e ninguém nega. Mas pergunta como agiram os governadores dos partidos de esquerda lá atrás. A política do ‘fique em casa’ agravou a crise do mundo todo. O número de mortes por Covid nos Estados Unidos não era por causa do Trump? Ele não era genocida? Equiparou os números agora com Biden. E ele não é chamado de genocida. O Brasil é um dos países que menos sofreram na economia da pandemia. O auxílio emergencial que pagamos a 68 milhões de pessoas, com montante que equivaleu a 13 anos de Bolsa Família, ajudou a economia. As pessoas que receberam gastaram no comércio, na feira, nos mercados. Não tenho bola de cristal, é questão de bom-senso. Como eu apanhei, como bateram em mim. Falando que eu tava pensando no patrão. Mas tinha que cuidar dos mais idosos e continuar funcionando o comércio. Tem país que nem é inflação, é desabastecimento. Simplesmente não tem.”

Alimentos

“Deve faltar fertilizante. Por falta de oferta, o homem do campo vai plantar menos, colher menos, e vai ter aumento de preço. Isso é para o mundo todo. Conversei com a ministra [da Agricultura, Pecuária e Abastecimento] Tereza Cristina, como está a situação. Estão ultimando um programa de fertilizantes no Brasil que começou em março deste ano. Eu estive com deputados da frente da agricultura, 50 parlamentares, chamei o Almirante Rocha, e ele falou que, no começo do mês que vem, vai ser apresentado um projeto sobre fertilizante. Nós temos matéria-prima no Brasil para isso. Mas é um problema sério que estamos trabalhando para evitar, desde março, abril.”

Combustíveis 

“Temos o apoio do [Arthur] Lira para buscar uma maneira de diminuir o preço. Nós importamos parte da gasolina que produzimos aqui com o preço que está lá fora. O cara não vai comprar gasolina a R$ 4 reais lá fora para vender a R$ 3 aqui. Estamos sujeitos ao preço lá de fora. Lembra das refinarias que o pessoal falou que ia fazer aqui? O que foi gasto com as refinarias que começaram a fazer aqui e não deram em nada? Duzentos e trinta bilhões de reais que quem paga é você. O Lira não tem poder para decidir o que vai ser votado. Ele coloca na pauta, está buscando maneiras de atender. O grande problema dos combustíveis é o ICMS. Se o ICMS não incidir em cima do valor da refinaria, na gasolina, ou do etanol, na usina, vamos viver essa incerteza o tempo todo.”

Corrupção

“Alguns acham que, depois da decisão do Supremo [Tribunal Federal], nosso amigo comprovou que é inocente. O pessoal da delação premiada devolveu R$ 3 bilhões. Está na cara que são desviados no mínimo R$ 30 bilhões. No mínimo, ninguém sabe o máximo. Tem uma área que pertencia à Petrobras e foi dada a uma empresa canadense. Quem tinha prioridade para explorar o potássio lá era o Canadá. O Ministério da Agricultura me mandou um documento confidencial, e o que tinha lá? O contrato havia sido cancelado e a Petrobras pagou uma multa à empresa. O que pode ser? A estatal que tem amigo lá faz contrato, depois fala ‘vou rescindir’ e paga uma multa de algumas dezenas de milhões de reais. Isso pode ser a ponta do iceberg da indústria do distrato no Brasil. A [ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos] Damares descobriu um contrato da Funai de R$ 50 milhões com uma empresa que ia ensinar índio a usar bitcoin.”

Fake news

“Estão alegando que o Telegram é uma ameaça digital. Lá não dá para censurar, tirar do ar. Como não pode, dizem que é ameaça às eleições. Tem matéria dizendo que eu posso fazer fake news lá. O que é fake news contra o Haddad? Dizer que ele é contra as drogas, a favor da família, que o partido nunca roubou? Quando me acusam de fake news, não falam qual é a mentira. E querem me tornar inelegível por fake news. Lógico que ampliamos nossa rede para o Telegram. Lá não tem censura. Hoje, se você posta alguma coisa suspeita contra a vacina, está sendo tachado de terraplanista, negacionista.”

 

Fonte: R7 – Brasília

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *