Primeiro turno teve diminuição de votos brancos e nulos, diz TSE
IPC-S registra inflação de 0,02% em setembro, diz FGV
Metade dos brasileiros abandonam o tratamento ainda no primeiro ano
Micro e pequenas empresas criaram mais de 70% dos empregos de agosto
Condutores de máquinas agrícolas agora devem portar registro

Bolsonaristas tentaram leis para disseminar ‘kit Covid’ da Prevent Senior

SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) – Deputados bolsonaristas apresentaram no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, em um intervalo de pouco mais de um mês em 2020, dois projetos de lei idênticos para autorizar o uso do “kit Covid” da operadora de plano de saúde Prevent Senior nos estados.

No Rio, a proposta foi barrada e, em Minas, se encontra parada no Legislativo. Entre abril e maio do ano passado, Bruno Engler (PRTB-MG) e Márcio Gualberto (PSL-RJ) usaram a empresa como referência para os projetos, que pretendiam disseminar a combinação da hidroxicloroquina e da azitromicina -medicamentos ineficazes contra a Covid-19- no tratamento da doença.

Segundo um dossiê feito por médicos, encaminhado à CPI da Covid, os dois remédios integravam o kit usado pela Prevent Senior no início da pandemia -mais tarde, a combinação foi ampliada com outros medicamentos, como a ivermectina.

Não só os textos dos projetos de lei como as justificativas anexadas pelos parlamentares foram iguais, com pequenas modificações, como a adaptação do nome do estado. Até a palavra coronavírus estava escrita errada de forma idêntica.

“A Secretaria de Saúde poderá criar convênios e parcerias com os responsáveis técnicos pelo protocolo de que trata esta lei, bem como com outros profissionais que tenham trabalhado com Hidroxicloroquina e azitromicina e outros fármacos que combatam o Corona Vírus [sic]”, afirma o artigo 3º dos dois projetos de lei.

Nas últimas semanas, a Prevent Senior vem sendo alvo de denúncias relacionadas ao uso desse protocolo de tratamento de Covid em suas unidades. O grupo de médicos que preparou o dossiê acusou a empresa de ter ocultado a morte de pacientes com Covid durante um estudo com os medicamentos ineficazes.
A empresa também está na mira do Ministério Público e da Polícia Civil de São Paulo por causa da ampla prescrição do “kit covid”, mesmo antes da confirmação de que pacientes tinham a doença.

Os projetos de lei apresentados por Gualberto e Engler citavam a operadora de plano de saúde logo no artigo 1º.

“Fica o Poder Executivo, através da Secretaria de Estado de Saúde e demais pastas correlatas, autorizado a implementar o Protocolo de Manejo Clínico -Covid-19, criado pela equipe médica do grupo Prevent Senior e outros com mesmo teor, em toda a rede pública ou privada de saúde no âmbito do Estado” do Rio de Janeiro ou Minas Gerais.

O artigo 2º tratava da autorização para que médicos receitassem a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina, com termo de autorização do paciente ou familiar, “na dosagem e quantidade especificadas no protocolo elencado” no projeto de lei. Não havia contudo nos textos quais seriam essas dosagens.

No RJ, projeto barrado em comissões O primeiro a apresentar a proposta foi Gualberto, na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), em 10 de abril de 2020.

Em maio, o projeto do parlamentar -que se define no site da Casa como patriota, antimarxista e contra “ideologias esquerdopatas” –recebeu parecer contrário em quatro comissões (Saúde, Orçamento, Ciência e Tecnologia, e Constituição e Justiça).

Nesta última comissão, o deputado Luiz Paulo (Cidadania) deu, em 15 de maio de 2020, um parecer pela ilegalidade, enterrando a sequência da tramitação do projeto.

“O que existe hoje no mundo para o enfrentamento do novo coronavírus, baseado nas experiências de diversos países, é a prevenção por meio da higienização e do afastamento social das pessoas. Até o momento não há evidências científicas de que a combinação desses medicamentos seja eficaz e segura para o tratamento da Covid-19”, afirmou o parlamentar, em um trecho do parecer.

Segundo Luiz Paulo, “a Prevent Senior colheu grandes dissabores no Estado de São Paulo no tratamento da Covid-19 e seu protocolo medicamentoso não teve aprovação dos órgãos oficiais, não sendo razoável ser paradigma de nada”.

Desde o início da pandemia, Gualberto vem defendendo o tratamento com o uso de hidroxicloroquina e azitromicina. Ele também já se posicionou contra as máscaras -cuja adoção contra a Covid é unanimidade entre autoridades de saúde de todo o mundo.

Em seu canal no Telegram, o parlamentar divulgou em setembro um modelo de habeas corpus para ser utilizado por seguidores que quisessem entrar na Justiça contra o passaporte da vacina implementado pela Prefeitura do Rio.

Já na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o projeto de lei de Bruno Engler se encontra parado.

Segundo o site da Casa, o texto foi apresentado em 19 de maio de 2020. Dali, iria para o Colégio de Líderes para “análise do caráter de urgência”. Nenhuma movimentação foi registrada desde então.

Engler continua defendendo o uso de hidroxicloroquina contra a Covid em suas redes sociais. Em 2 de junho, ele citou no Twitter um suposto estudo que comprovaria a eficácia do remédio -não existe comprovação científica de que a hidroxicloroquina seja benéfica no combate ao coronavírus.

O deputado é um dos principais apoiadores de Jair Bolsonaro em Minas Gerais. Na quinta-feira (30), esteve com o presidente em uma visita que ele fez a Belo Horizonte.

Tanto Gualberto quanto Engler foram procurados pelo UOL através de suas assessorias de imprensa, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

Na família Bolsonaro, o senador Flávio (Patriota-RJ) também já foi um entusiasta do tratamento com o “kit covid” da Prevent Senior. Esta semana, a oposição resgatou um tweet antigo, de abril do ano passado, em que ele elogiava os protocolos da operadora de plano de saúde.

Compartilhe este conteúdo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.