Drenar-GDF-300x250-GIF
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas
Prioridade a pessoas idosas será indicada pelo símbolo “60+”
Nova Lei amplia idade máxima de veículos de aplicativos para 10 anos

Bipolar, São Paulo vence. Mas, de novo, não convence. Não dá para confiar

O São Paulo outra vez foi instável. Mas venceu. Crespo ganhou fôlego

O São Paulo outra vez foi instável. Mas venceu. Crespo ganhou fôlego Rubens Chiri/São Paulo

São Paulo, Brasil

A situação de Hernán Crespo estava se complicando.

O argentino havia perdido a aura de proteção que a conquista do Campeonato Paulista havia trazido ao seu trabalho. As eliminações na Libertadores e, principalmente, na Copa do Brasil pesaram demais. Não só pelo futebol, mas por uma velha conhecida: a apatia do time tricolor.

O presidente Julio Casares tratou de assegurar o emprego de Crespo. Mas deixou claro ao técnico que existe um objetivo para o resto de 2021: levar o clube para a Libertadores.

A vitória hoje, diante do Atlético Goianiense, muito bem montado por Eduardo Barroca, no Morumbi, se tornou obrigatória. 

Crespo tratou de fazer três mudanças fundamentais, depois da derrota e eliminação da Copa do Brasil, para o Fortaleza.

Ele tratou de abandonar os três zagueiros, até pela suspensão de Miranda. 

Teve de se render à forte marcação de Luan.

E tratou de exigir outra postura dos seus atletas. Muita vibração, correria, personalidade, intensidade, tudo que faltou no Ceará.

O São Paulo sofreu no Morumbi. Foi bipolar. Fez excelente primeiro tempo. E péssima segunda etapa.

Mas conseguiu vencer o jogo por 2 a 1, gols de Rigoni e de Luciano, enquanto Matheus Barbosa descontou.

O clube paulista conquistou importantes três pontos. 

Chegou à 12ª colocação no Brasileiro.

Só que a impressão deixada é de um time que não merece confiança.

“Nossa equipe vem passando por um momento muito difícil, mas todos estão trabalhando, desde os jogadores até a comissão, para tirar o São Paulo desta fase. Temos de buscar mais objetivos dentro do campeonato, que é o que o São Paulo merece”, tentou disfarçar, Luan.

Já Matheus Barbosa foi direto. E certeiro.

“A gente respeitou muito o São Paulo. É uma grande equipe, temos de respeitar sempre, mas a gente poderia impor um pouco mais nosso ritmo. Criamos no segundo tempo algumas oportunidades, infelizmente não conseguimos o empate”, dizia, irritado.

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *