Drenar-GDF-300x250-GIF
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas
Prioridade a pessoas idosas será indicada pelo símbolo “60+”
Nova Lei amplia idade máxima de veículos de aplicativos para 10 anos

54,3% consideram governo Bolsonaro ‘ruim’ ou ‘péssimo’, mostra pesquisa

Pesquisa semanal Modalmais realizada em parceria com a AP Exata, divulgada nesta sexta-feira, 28, mostra que os índices de popularidade do governo Bolsonaro permanecem estáveis, mas continuam a mostrar um cenário ruim para o governo. De acordo com o levantamento, os que consideram o governo como “ruim” ou “péssimo” são 54,3% (0,1 ponto porcentual a mais do que na última pesquisa), uma rejeição “muita alta”, segundo o documento.

Outros 23,8% consideram a administração “ótima” (0,1 ponto porcentual a menos que no levantamento anterior) e aqueles que avaliam o governo como “regular” representam 21,9% (0,1 p.p. a menos).

A pesquisa destaca nesta semana o acirramento de ânimos entre o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Executivo. Nesta sexta-feira, Bolsonaro não compareceu à Superintendência da Polícia Federal (PF), em Brasília, para prestar depoimento sobre o vazamento de dados sigilosos de investigação da Polícia Federal que apura ataques hackers às urnas eletrônicas, contrariando o que decidiu o ministro Alexandre Moraes no dia anterior.

“O episódio é mais um capítulo que alimenta a narrativa de que o STF atrapalha propositalmente o governo”, diz trecho do levantamento. “Bolsonaristas veem o Tribunal como oposição e como uma corte de esquerda, empenhada em ajudar a eleger Lula. Diante dessas interpretações, seguem muito proeminentes nas redes os pedidos de impeachment para os ministros, sobretudo Moraes.”

Na economia, a pesquisa também mostra que a PEC dos Combustíveis, proposta por Bolsonaro para reduzir a tributação sobre combustíveis, energia e gás, causou muitas críticas ao governo. “A maioria discordou que a proposta tenha efeito visível nos preços e previu agravamento da inflação e disparada do dólar. Informações recentes indicam que o presidente pode ter desistido de apresentar a PEC, levando a novas acusações de ‘amadorismo'”, aponta.

Na mira das críticas, está o ministro da Economia, Paulo Guedes. “A maioria acusa Paulo Guedes de ter perdido qualquer controle sobre a Economia e ser um mero ‘assistente’ de Ciro Nogueira (Casa Civil). Muitos questionam a utilidade de Guedes e suas funções no governo.” Recentemente, Bolsonaro editou um decreto determinando que atos relacionados à gestão do Orçamento público terão de ter aval prévio da Casa Civil, em mais um movimento para empoderar o Centrão às vésperas da campanha eleitoral em que pretende se reeleger.

Fonte: Notícias ao Minuto Brasil – Politica

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *