Drenar-GDF-300x250-GIF
GDF cria grupo de trabalho para modernizar sistemas de gestão de saúde
Fachin prorroga prazo para plano de proteção de indígenas isolados
Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas
Prioridade a pessoas idosas será indicada pelo símbolo “60+”
Nova Lei amplia idade máxima de veículos de aplicativos para 10 anos

40% dos funcionários da Saúde do DF estão com Covid ou influenza

Teste rápido SWAB Nasal para detecção de Covid-19 na UBS 1

Teste rápido SWAB Nasal para detecção de Covid-19 na UBS 1 Myke Sena/MS – 07.01.2022

Um levantamento do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) apontou que 40% dos profissionais da Saúde do DF estão afastados por Covid-19 ou influenza. A informação é da da força-tarefa de promotores que fiscaliza as medidas de combate à Covid-19 na capital.

O coordenador da força-tarefa do MPDFT, procurador de Justiça Eduardo Sabo, comentou a estimativa nesta quinta-feira (27). Ele destacou que, além da falta desses profissionais na linha de frente, a Secretaria de Saúde do DF precisa procurar formas de agilizar a testagem na população.

A fala ocorreu durante uma visita de Sabo às Unidades Básicas de Saúde da 612 Sul e do Guará. “Temos hoje mais de 40% de funcionários com covid. Outro aspecto é a questão dos testes. São 60 por dia em cada UBS. Temos que estar atentos, procurando novas formas de ação para que fique mais célere”, destacou Sabo.

Em conversa com o R7, Seba afirmou que a falta de funcionários afastados por Covid-19 tem sido sentida nos setores público e privado. Ele destacou, ainda, que os funcionários da Saúde estão sobrecarregados e em uma luta contínua contra a pandemia há muitos meses, e que é preciso que a população seja compreensiva ao enfrentar filas nos hospitais e postos.

“Os profissionais de Saúde estão se dedicando muito desde março do ano passado. Estive na UBS 1 [na Asa Sul] que atende 700  pessoas por dia com vacina e de 50 a 60 por dia nos testes, fora todos os outros atendimentos, e as pessoas estão cansadas. Nossa preocupação é no sentido de que a sociedade tem que ficar esclarecida. Muitas vezes temos que entender como plausível a demora de uma fila, face a perda de mão de obra qualificada”, destacou o procurador.

Seba sugeriu à Secretaria de Saúde a criação de uma rede de apoiadores envolvendo o governo e entidades de classe e organizações para reforçar o trabalho nos postos de vacinação. Também provocou a Saúde para pensar em medidas de distanciamento social para eventos. A força-tarefa deverá se reunir com a pasta na próxima semana. O procurador lembrou, por outro lado, que os efeitos da Omicron são mais leves que os das variantes anteriores, o que facilita o retorno dos profissionais de saúde aos hospitais.

Questionado sobre o risco de a falta de profissionais comprometer o atendimento de pacientes graves nas UTIs, o procurador negou. “Está havendo um empenho da central de regulação e dos hospitais privados. O próprio secretário trouxe os hospitais privados para contribuir com leitos, e estão sendo mobilizados os recursos humanos necessários. Eu acredito que o percentual [de internações] vai até diminuir”, opinou.

Durante a coletiva de imprensa da Saúde para informar as ações de combate À pandemia, também nesta quarta, o secretário, Manoel Luiz Pafiadache, informou que a Secretaria de Economia liberou R$ 32 milhões para que o governo possa contratar, de forma temporária, 100 médicos e 362 técnicos de enfermagem.

Os profissionais foram contratados justamente para repor os quadros. “Nossos servidores, que estão na linha de frente, em contato com o vírus, são humanos. É natural que alguns se contaminem. Precisam ser afastados. E nosso esforço é para repor essas forças na linha de frente”, disse.

Já o secretário adjunto de Assistência à Saúde da Secretaria de Saúde do DF, Fernando Erick Damasceno, destacou, também na coletiva, que a contaminação de funcionários era esperada, por conta da alta transmissibilidade da variante Omicron. Segundo ele, uma das estratégias é a reposição rápida de força de trabalho, com horas extras cedidas e ampliadas e contratação temporária.

A Secretaria de Saúde corre contra o tempo, também, para aumentar o número de leitos para pacientes com Covid-19. Nesta quarta (26), anunciou a reinauguração do Hospital Cidade do Sol. A unidade conta com 20 leitos de enfermaria e a meta é aumentar para 40 e outros 20 de UCI (Unidade de Cuidados Intermediários).

Fonte: R7 – Brasília

Compartilhe este conteúdo!

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *